quarta-feira, 6 de junho de 2007

(Mais uma) Dedicatória aos meus alunos

       Aos meus alunos do 9º5…

    ... merecedores de uma dedicatória sob a forma mais perfeita da literatura: UM SONETO


Se o ímpar se define pelo par,
É no todo que surge o singular.
Sem o céu, o que seria da ave?
Na música, soa o agudo e o grave!

As pedras, pela fé, se humanizaram…
Os Homens, afastados do diabo,
Esqueceram-se do mal e do pecado.
E assim os tempos se recriaram:

Com letras e números em abraço;
Com o choro a alimentar a alegria;
De céu, mar, terra e ar, feito compasso.

Sem outras estrelas, sem companhia,
Nesta viagem também de cansaços,
Não se ilumina a noite… nem o dia.

ESG, Junho 2007

     Esta é uma leitura da vida em sociedade que estais a ajudar a CONSTRUIR.

Sem comentários:

Publicar um comentário