quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Instantes e proximidades

    Na oportunidade do instante e pela proximidade.

    Sem medo dos humanos, há aves que se avizinham das mesas e dos caminhos que a elas levam - não vá uma migalhita perdida das mãos e bocas dos clientes servir para debicar e, quem sabe, levar para o ninho, onde outro bico esteja a aguardar alimento. 

Petiscando, na esplanada (Foto - VO)

    Patinhando em cuidado e sempre atentando nas redondezas, nos intervalos das pequenas pedras do passeio há petiscos que um cliente deixou cair ou um empregado limpou das mesas. Desperdícios humanos; sustento da ave.

      E, assim, captada no ato, a pomba colheu e voou.

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Mais uma...

    Para começar a gosto (em agosto), só mais uma melodia de Gavin James.

    Da banda sonora da telenovela Deus Salve o Rei (Globo, 2018), o par romântico Afonso-Amália vivencia toda uma rede de complicações e intrigas palacianas (entre os reinos de Montemor e Artena) que se revê na letra desta canção:

Música do álbum Hearts on Fire (2017), de Gavin James
Montagem do filme com imagens da novela 'Deus Salve o Rei' (TV Globo)

   WATCH IT ALL FADE

When you let go of love all gone 
Save the world or write a story 
No one has ever heard, before I knew 
When I saw her heart over mine 
Fear over somebody, fighting that fear 
That you just can't believe 
But you need it by living 

Castles and islands 
All the crowns and the diamonds 
I don't think I can find them now 
Stay if you want to 
Leave if you need to 
And watch it all fade 

     A disputa de tronos e de reinos parece uma versão brasileira de Game of Thrones, na qual as temáticas do poder, do ocultismo, da paixão entre uma plebeia e um nobre, da inevitabilidade do destino, da escassez da água e da afirmação do livre arbítrio e dos valores dignificantes do ser humano (em contraste com as perversões dos maus da fita) se cruzam com registos de comédia bem firmados no carácter de algumas personagens.

     No seio de lutas insanas, tudo se dissipa - uma verdade que tem algo mais do que enquadramento telenovelesco.

domingo, 29 de julho de 2018

Vida triste... muito triste!

      Publicidade no seu pior... produzida e autorizada por quem não é melhor!

   Dificilmente se percebe como alguém deixa que a sua imagem seja "colada" a um cartaz publicitário que deseduca, denigre instituições e resulta no pior do que sejam as virtudes de um "ensino gratuito e subsidiado":

in https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1965815846772122&set=a.414110765275979.93757.100000311761998&type=3&theater

    Não há curso que resista nem instituição que o legitime. Também não sei quem possa "fazer-se à vida" (a não ser que seja a má vida) com um péssimo exemplo destes - porque quem autoriza uma publicidade destas presta o pior serviço de educação. Já não bastam os casos apontados neste blogue, recorrentes no mesmo tipo de erro, e tinha de vir de Souselas a gota de água a fazer transbordar o copo (conforme se dá a ver na Circular Externa de Coimbra). Um instituto educativo deve preservar-se mais. Nem tudo vale - e separar a terminação 'ste' da base verbal conjugada no pretérito perfeito da segunda pessoal do singular é mais do que repreensível para quem se outorga do direito de trabalhar no futuro de estudantes.
     Uma operação de marketing que falhou e que devia ser retirada do circuito, para não falar que alguém devia ser processado por ter prestado um serviço a não repetir.
     Desconcertante, no mínimo.

   O Instituto Educativo de Souselas perde credibilidade - na língua e na educação que pretensamente quer dar a quem terminou o 9º ano de escolaridade. Não se augura bom futuro.

sábado, 28 de julho de 2018

Por terras de Vidago

      Há tempos (mais precisamente, há cerca de dois anos e meio) andei por lá.

Fachada e jardins do Vidago Palace (fotos VO)
    Prova disso são algumas das fotos que marcaram o momento, imagi-nando o que teriam sido os anos trinta do século XX, com todo o glamour, o imaginário das clas-ses abastadas que frequentavam o es-paço. Na verdade, talvez não seja ina-dequado dizer 'que frequentam', dada a seletividade que persiste, atualmente, no acesso ao interior do hotel. Fiquei-me pelos jardins (e já foi muito bom), por uns momentos breves (que valem para a vida, pelas memórias que o tempo permite reavivar na beleza natural envolvente). O resto foi pura imaginação!
     De imaginação e ficção vive também a série reposta esta semana na RTP1: Vidago Palace. Produzida em 2015, com autoria e realização de Henrique Oliveira, ela conta, na contracena, com nomes conceituados nacionais (como Margarida Marinho, João Didelet, Marcantónio Del Carlo e Anabela Teixeira, mais Custódia Gallego, Pedro Barroso, Mikaela Lupu) e da Galiza (entre outros, David Seijo, Eva Fernández, Xosé Antonio Touriñán). Num registo composto por paixões, conflitos políticos, comédia, mistério e suspense, assiste-se a uma intriga localizada no verão de 1936 e nesse espaço homónimo ao título da série - uma das estâncias europeias mais prestigiadas desse período.

Trailer de Vidago Palace - série exibida pela RTP1

      No circuito de personagens portuguesas, espanholas, inglesas e alemãs, as férias no hotel espelham o clima fascista de Salazar, as ameaças de Hitler, a guerra civil de Espanha, num prenunciado tempo a preparar a Segunda Guerra Mundial. Central é a relação amorosa de Pedro e Carlota, jovens de classes bem distintas, mas unidos no sentimento e no sentido de vida comuns. Entre os inúmeros obstáculos que têm de superar, há o jogo de interesses familiar cruzado com um casamento negociado e com tudo para falhar; a perseguição política a todos os que ameacem a força fascista reinante; a separação e a distância forçadas; as desigualdades sociais pretensamente calibradas por aparências, vícios e moralismos falsos.
       Nos desconcertos da história, reina, entretanto, o espírito cómico de alguns núcleos de personagens (como as coscuvilheiras, risíveis e pedinchonas irmãs Perliquitetes, Cremilde e Gertrudes) e de ações (como o casamento final da histriónica brasileira Benvinda de Fátima com o novo-rico burguês e bonacheirão Bonifácio da Silva), a lembrar bem alguns filmes dos anos quarenta (com Vasco Santana, Ribeirinho, António Silva e Beatriz Costa).

      Uma série que diverte, que ensina sobre um tempo, que afirma princípios e valores que dão à vida (por ficcional que seja) um toque de final feliz.

sexta-feira, 20 de julho de 2018

História que deu vida

       Tudo por causa da História que daria um Livro, de Manuel Maria.

      Um encontro intrigante (uma personagem com um passado por desvendar e uma realidade tão fictícia quanto aproximada ao vivido em Moçambique) conduz José António para a (re)descoberta de alguns dos enigmas que a guerra, a experiência de alfarrabista e a vivência de homem comum propõem à vida.
    Cruzam-se neste enredo pensamentos literários e filosóficos, além de toda uma gama de conhecimentos a convocar futebol, política, arte plástica, ensino, coordenadas de tempo e de espaço em muito coincidentes com o real que alguns leitores possam (re)ver no dia-a-dia que foi ou mesmo naquele que ainda é (ou pode ser). Enquanto um desses leitores, vejo a ficção entretecida com uma realidade conhecida, esbatendo-se uma fronteira muito ténue a anunciar essa terra de todo o mundo e ninguém.
      Revisto o Portugal dos finais do século XX / inícios do XXI, cabem nele a consciência do que foram os tempos de guerra colonial em Moçambique; os jogos político-estratégicos do regime ditatorial, os dilemas de quem cumpria um dever nem sempre reconhecido no poder que o impunha.
     Cronotopicamente plural, o romance propõe uma rede de personagens e de relações que convergem maioritariamente para um local de convívio e alimento: A Cozinha do Martinho. À mesa (e no jogo) se vê a educação, diz o povo. Há quem nela também faça grandes negócios e nela ponha as cartas. Em A Cozinha do Martinho, à mesa surgem (re)encontros, resoluções, reuniões e (re)equilíbrios de situações narrativas, numa reconfiguração simbólica da generosidade do próprio santo que dá nome ao restaurante, ao chefe do espaço e à festividade celebrada no capítulo final.
      Concluída a leitura e fechado o romance, tenho a impressão de já me ter cruzado com alguns dos espaços e algumas das personagens, embora ela tenha sempre de ser matizada, particularmente nos humanos, por traços fictivos de um José António, de uma Silvana (Sissi), de um Manuel Maria e de um Sr. Laurindo que (con)vivem nas páginas de um livro. E, de novo, nos confins da ficção ou da realidade, há uma espécie de limbo a alimentar dúvidas: pode o Man(u)el Maria de carne e osso que conheci ser o professor de ensino secundário (que também o foi, é e será) lido no papel? Pode qualquer semelhança da obra com a realidade não ser apenas mera coincidência, dando-me a ler um Sr. Laurindo que recupero das minhas memórias e revejo no próprio dia de apresentação do romance? É José António um múltiplo de Manuel Maria? É a carta do primeiro (que, não existindo, foi sendo) aquela que o segundo, pelo ato criativo de escrita, produziu com efeitos de real, a ponto de aparecer reproduzida num manual de Português (que existiu, sem dúvida)?
      É nesta espécie de "mise en abîme" - de uma História que daria um Livro a evocar Checa é pior que Turra; de um José António tão familiar(izado) no espelho de Manuel Maria; de uma ficção a gerar uma outra, ainda que tão aproximada do real nas contextualizações epocais evocadas - que o romance se impõe.
     A fechar, há um "happy end" de uma história que, no ponto de arranque, "nunca encaixou na cabeça" de José António; que, na fase de resolução, Silvana reconheceu como enigmaticamente fantástica; que Carlos Vladimiro, no fim, confessadamente apresentou como desvelamento de identidade. Tudo acabou por dar em livro... e em vida com oportunidade de felicidade.
     Em suma, e similarmente às palavras do Chefe Martinho quando se refere à comida do seu restaurante, digo desta obra que "temos coisinha boa!"

     Renovado agradecimento ao Man(u)el pela dedicatória, pelo convite formulado para assistir à apresentação pública do livro, pela evocação de vivências e projetos que nos aproxima(ra)m e pelos momentos de leitura proporcionados. Nem penosos nem penalizadores. Uma obra "maningue" interessante!

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Mau... muito mau mesmo!

       Jornalismos...

      A quantificação do plural vale por dois: pelo bom jornalismo que vale por muitos, na seriedade, na responsabilidade e na qualidade de escrita que “agarram" qualquer leitor; pelo que, na falta das virtudes anteriores, cai no erro, no mínimo, e induz quem lê a opinar sobre dados falsos. Em vez de informação, propaga-se a ignorância da fonte, multiplicada pelas vozes que, do assunto, pouco ou nada sabem.
     O furo jornalístico de que Os Maias deixam de ser leitura obrigatória para os alunos do ensino secundário sai tão “furado" e falso quanto a obra não ter sido tal desde a implementação dos então novos programas de 2010/2011. Agora, na discussão pública das “Aprendizagens Essenciais” para o 11° ano, mantém-se como possibilidade, conforme os programas em vigor desde 2015-16 (leia-se Os Maias ou, sublinhe-se 'ou', A Ilustre Casa de Ramires).
       Perante o absurdo da conclusão jornalística, não será de esperar que tivesse havido leitura do documento nem sequer uma investigação que fundamentasse a posição de muitos professores que optam pela abordagem do primeiro romance face a qualquer outro queirosiano, em termos de lecionação. Também não sei se haveria capacidade para reconhecer que uma obra tão madura e excecionalmente construída por Eça seja uma mais-valia acumulada de sensibilidades estéticas, muito para lá da expressão realista-naturalista a que o autor tem andado associado; uma produção romanesca que tanto retrata criticamente a sociedade da segunda metade do século XIX como reflete comportamentos e percursos de desilusão tão comuns ao século XXI; uma narrativa que ensina mais pelo que dá a ler (no conteúdo e na língua) do que por qualquer análise mais estrutural ou estilística que dela se faça.
       Sendo assim, quase como Eça criticamente o aponta nas primeiras páginas de Uma Campanha Alegre, assumo que, a exemplo de notícias como a identificada, e repetida por congéneres, a imprensa está longe de cumprir o seu papel. Se nos finais de oitocentos, cito, "A imprensa é composta de duas ordens de periódicos: os noticiosos e os políticos", nas primeiras décadas do século XXI persistem as mesmas (talvez acompanhadas por uma terceira ordem, mais desportiva), na generalidade com a inegável falta de qualidade seja de escrita seja de informação. Será este um caso de noticioso (sensacionalismo inútil) ou de político (talvez politiqueiro)? Seja qual for, muito terá a aprender com as raríssimas exceções de jornalismo de qualidade (para as quais, obviamente, estas palavras não são destinadas), por talvez se terem inspirado em Os Maias e/ou, definitivamente, terem descoberto como afastar-se do mau exemplo que o jornal "A Tarde" ou "A Corneta do Diabo" representam. 
     Casos como os destas notícias, divulgando e fomentando conclusões contrárias às "Aprendizagens Essenciais", só podem resultar de jornalistas que ou não leram a obra queirosiana (nem o documento educativo em discussão pública) ou, se o fizeram, não conseguiram ver nela mais do que uma simples história de incesto (nem as implicações educativas que ousaram noticiar). E de língua, nada aprenderam, a ponto de não saberem o significado de um 'ou'. Diria, uma aprendizagem essencial.

       "Alguns jornais contaram este mês, com uma indignação ingénua, que na devota cidade Braga alguns missionários vendiam aos fiéis cartas inéditas da Virgem Maria" (Uma Campanha Alegre - XXXVII, pág. 223) - escreveu Eça. Um jornal contou hoje, entre o espanto e a indignação ingénuos, que Os Maias iam deixar de ser leitura obrigatória no ensino secundário - escrevo eu. Heresias (quando não são mentiras declaradas)!


quinta-feira, 12 de julho de 2018

Oferta tão (pouco) generosa!

      Tão generosa quanto escusada!

      Convenhamos: não a oferta, mas o texto que a anuncia.
     Depois de atualizar a conta e receber a box UMA em casa, a NOS decidiu ofertar-me uns canais premium e um pack de karaoke. É verdade que quem canta seus males espanta, mas a empresa começou a mensagem muito mal.
      Logo a abrir o registo, três atropelos na escrita:

Excerto de uma mensagem que, na primeira linha, dá logo má imagem

    Um 'ç' antes de 'e' (Como é possível? Não é o único caso!), uma maiúscula sem sentido (por não iniciar frase nem dar conta de nome próprio) e uma junção gráfica do que devia estar separado (a falta de espaço é um mal geral, mas, na língua, dá aglutinações inusitadas). Erro, lapso ou engano é, em qualquer dos casos, uma absoluta inconveniência (que rima com incompetência) para uma empresa que se diz pautar pela qualidade. Da língua não é, por certo.

     No meio disto, apetece-me denunciar o contrato e ir para a concorrência. E das ofertas, diria que quem oferece em termos errados dá aos clientes brindes muito escusados (não há em toda uma empresa alguém com visão capaz de detetar a má imagem em que se coloca?)