quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Fim do dia em cor de fogo

     O sol põe-se, a noite vem e o céu ainda se pinta de fogo.

    É comum, na Granja, haver este espetáculo de luz e cor(es) no prenúncio da noite. Olhar para a linha do horizonte é perscrutar essa ânsia de buscar o longe, de rumar ao desconhecido. Contemplar o céu no múltiplo colorido que o pôr-do-sol e a noite trazem é desejo de voar, de me libertar da terra, de ascender ao calor que o neblinado instante ameaça apagar. De tão único, singular, nessa hora que todos os dias acontece, o momento inspira(-se) e o fragrante iodado refresca o pensamento, seco e gasto neste enleio de vida tantas vezes sem asas.

Foto do final de uma tarde ou do início de uma noite rasgada por um ângulo de luz

      Queria ter sido o pintor desta tela feita de rochedo, mar, céu e nuvens; de sol fugidio, a esconder-se da lua e das estrelas. Traçaria um ângulo de luz a separar o negrume dos rochedos, banhado pela maré vaza, de um céu manchado de nuvens e de azul a escurecer.
       O fio-de-prumo do horizonte seria linha de bruma, fiada de mar.

       Fica o registo fotográfico para memória das cores de um final de dia (ou do quadro que teria pintado se a inspiração e o sol não fugissem).

terça-feira, 27 de agosto de 2019

Como se o problema fosse não saber jogar...

      Ao final da tarde de uma terça-feira, ainda se ouve falar dos resultados de futebol.

      Já não basta, ao final de sábado ou domingo, ter mais de seis canais televisivos a falar do mesmo (a derrota do Benfica, na Luz, com o Futebol Clube do Porto), e a semana continua no mesmo tom. Parece ser a crise instalada, como se o campeonato nacional ficasse já decidido à terceira jornada. Enfim!
       E, no meio de toda a inteligência futebolística e tanta teoria clubística, vem a nota de rodapé com o maior dos escândalos:

SIC NOTÍCIAS no seu pior - emissão de 'Mercado Aberto'

      Deste ninguém fala, se é que alguém mais o viu!
      Pior do que o Benfica não saber jogar (se é que tal se pode concluir da derrota num jogo, como se houvesse infalibilidade nos derbies, nos jogadores e nos treinadores) é não se saber escrever, nomeadamente num programa / canal televisivo. Confundir a construção 'haver de + V' com qualquer outra realização inexistente no português (por mais homófono que pareça) é caso para mostrar cartão mais do que vermelho, com expulsão direta.

     Ao final da tarde de uma terça-feira, é lamentável a perda de tempo com tanta conversa de futebol quando da língua, e da forma de a bem escrever, não há quem cuide delas cuide na TV.

sábado, 17 de agosto de 2019

Voltando ao 'Joker'

     Já por várias vezes me referi ao 'Joker' - prova de que o vejo.

     É das poucas coisas televisivas a que vou sendo fiel (pela amplitude de conhecimentos que nele se revê), mas a verdade é a de que o programa não está isento de contínuos reparos. Cá vem mais um, a propósito da emissão de hoje:

Imagem alusiva ao programa televisivo 'Joker' (RTP1 - Foto VO)

    A imagem é a do momento em que o concorrente, para a questão formulada, seleciona a hipótese Álvaro de Campos (um heterónimo pessoano, dos mais conhecidos e versáteis, a par de Alberto Caeiro e Ricardo Reis). Nada a obstar quanto à frase "Minha pátria é a língua portuguesa" ser da autoria de Bernardo Soares - assim a encontramos num dos fragmentos do Livro do Desassossego. O aspeto crítico está mesmo em considerar Bernardo Soares um heterónimo, quando o autor Fernando Pessoa o classificou como semi-heterónimo. Assim o justificou, no último ano de vida, numa carta escrita a Adolfo Casais Monteiro (13 de janeiro de 1935):

    «O meu semi-heterónimo Bernardo Soares, que aliás em muitas coisas se parece com Álvaro de Campos, aparece sempre que estou cansado ou sonolento, de sorte que tenha um pouco suspensas as faculdades de raciocínio e de inibição; aquela prosa é um constante devaneio. É um semi-heterónimo porque, não sendo a personalidade a minha, é, não diferente, mas uma simples mutilação dela. Sou eu menos o raciocínio e a afectividade. A prosa, salvo o que o raciocínio dá de ténue à minha, é igual a esta, e o português perfeitamente igual [...]»

       É no fragmento 259 que se lê a frase citada no programa televisivo:

  «Não tenho sentimento nenhum político ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriótico. Minha pátria é a língua portuguesa.»

     Tão mais simples, rigoroso e certeiro seria apenas perguntar "Quem escreveu / Quem foi o autor da frase 'Minha Pátria é a língua portuguesa'?" (pelo menos, não induziria em erro, para a escolha de um dos heterónimos mais comuns).
   O ajudante de guarda-livros, o morador da Rua dos Douradores, assume um estatuto singular, distinto, privilegiado na escrita pessoana. É o narrador principal do Livro do Desassossego, pensador que não é poeta, mas assume trechos de uma prosa poética, na qual viver sonhando, sonhar imaginando e imaginar sentindo são ecos da poética do ortónimo. Foi uma "personalidade literária" (como Pessoa também o chamou), que vivia num quarto alugado e conversava sobre literatura com o criador, considerando "a vida uma estalagem" onde se demora até que "chegue a diligência do abismo" (uma angústia existencial partilhada com quem lhe deu vida).

     No prefácio ao Livro do Desassossego, Pessoa assume que Bernardo Soares foi "um indivíduo cujo aspeto, não me interessando a princípio, pouco a pouco passou a interessar-me". Daí à identidade foi um grande passo para se ter no primeiro o espelho a deixar ver alguém que está por trás de muita(s) Pessoa(s) - ser um só no seio de muitos, ou seja, um que tem em si o outro.

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Ainda des(cons)truindo mitos

      À nona longa-metragem, Tarantino dá à Sétima Arte um filme com muitos outros dentro.

    Começando pelo fim: após o clássico "The End" e na sequência da apresentação dos créditos fílmicos, numa espécie de making of em registo cómico, surge a personagem central do filme (Rick Dalton, na interpretação feita por Leonardo DiCaprio) a publicitar uma marca de cigarros, até que, repentinamente, o discurso do elogio dá lugar à crítica e à aversão ao produto anunciado. Assim se constrói ilusões, se denuncia como se manipula o público e se dá a ver que a fronteira entre a representação e a realidade pode ser bem expressão do seu contrário. Assim se dá início ao desconcerto.
       A dupla DiCaprio (Rick Dalton) - Brad Pitt (Cliff Booth) assume-se na centralidade de uma intriga focada, respetivamente, na vida de um ator em decadência que luta por manter uma carreira cinematográfica; de um duplo com passado dúbio, tornado assistente de Dalton, por só com este parecer ter emprego. Na vida glamorosa de Hollywood, estes exemplos de anti-heróis parecem evidenciar bem mais as inseguranças e fragilidades humanas do que a realidade fantasiosa e idealizada vendida pelo cinema.
     Começa aqui a quebra de um mito: o de que tudo é bom no brilho da cidade do cinema. Um Dalton com sinais de gaguez, rendido à segurança de uma criança que o acompanha nas gravações de um far-west é um dado apenas; um Booth ensombrado pelo passado, sem nenhum desempenho da sua função (destacando-se por dar comida ao cão ou por desafiar um Bruce Lee fantasioso) é outro; uma Sharon Tate (Margot Robbie), deslumbrada pelos seus desempenhos - que ninguém parece conhecer -, a ressonar no seu sono de ‘bela loura adormecida’ ou a colocar os pés sobre a fila da frente no cinema é mais um; um local que serviu de filmagem para westerns servir de antro de violência, libertinagem desvairada e habitáculo de impuros e rejeitados (metaforizando o habitat dos seguidores de Charles Manson ou de todos aqueles que conseguem, com discursos manipuladores, legitimar o impensável no seio do caos apocalíptico da sociedade em geral) é outro ainda.
     O final da década de sessenta traduz também uma mudança, o fim de um tempo: os acontecimentos do verão de 1969, quando a Família Manson põe fim ao movimento “peace and love” com uma série de assassinatos pela cidade de Los Angeles, espelham essa viragem. O movimento hippie transformado em fonte de serial killers é a fonte para que Tarantino consiga introduzir, na película, o seu estilo excessivo e destrutivo, misturado com o efeito cómico dele resultante; é a oportunidade para destruir o mito da eterna inocência, para questionar o ideal hollywoodesco, ao incorporar em si, o poder influenciador de gerações – e, nestas, não deixam de existir elementos desvairados, desviados e perturbado(re)s.

Trailer do filme de Quentin Tarantino

      Desconstruindo a ilusão e a fantasia, a maior prova de todas dessa intenção é o recurso a atores conceituados que representam personagens que menorizam as estrelas; a aproximação a referências da arte cinéfila, subliminarmente sugerindo atores e filmes das décadas de 50 e 60 do século XX, para não mencionar alguns da carreira do próprio Tarantino; a relativização do trágico ataque à casa Dalton face à socialização dos vizinhos famosos. Em contrapartida, aquelas impõem-se pela reconstrução ficcional de factos da cultura e da vivência norte-americanas: contrariamente ao realmente sucedido, a namorada de Roman Polanski é poupada à morte dos Manson; os Manson morrem, em vez de matar, atacando a casa de Dalton e não a dos Polanski.

     Era uma vez no Oeste (1968)? Não. Era uma vez na América (1986)? Também não. Era uma vez… em Hollywood (2019). Sim, enquanto expressão interfílmica conseguida por Tarantino, trazendo outros filmes para o seu filme ou desmontando e destruindo mitos que (ainda assim) não negam a perceção de Hollywood como espaço de fantasia(s), de alternativa(s), de 'era uma vez' (ou muitas vezes).

domingo, 11 de agosto de 2019

Direito a reclamar

        É estratégico o ato, perante publicidade (que só pode ser) enganosa.

   Quando se lê a ementa e se encontram propostas como as da direita, vindas como sugestão do chefe, apetece-me comer e beber à grande (com escrita devida do acento grave) e pedir o livro de reclamações a seguir. E já não me foco no acento gráfico (sendo já grave a con-fusão com o agudo), no nome que nunca é adjetivo ("carvão"), na abreviatura "c," como se fosse redução de 'com', na perda de nasalidade dos "ro-jões",  nem sequer na grafia incorreta da toponímia. Estou mes-mo atento às entradas e, particularmente, ao camarão.
    Ainda me dou ao trabalho de imaginar a apresentação do dito: suspenso em linha, cosido (com fio, claro está), cru. Assim seria servido, cabendo-me a obrigação de o grelhar na chapa, o fritar ou o colocar em água a ferver com sal. 
     Se aparecesse já cozido (ao lume, na cozinha, por certo), o cenário seria bem outro e, aí, sim, viria o motivo para reclamar: o anúncio é de camarão "cosido", não "cozido".
     Falsa publicidade precisa de ser denunciada. Como o cliente tem sempre razão, mediante a sugestão, a causa só podia ser ganha. Comia o "cozido" (com satisfação) e reclamava pelo que não me foi servido, conforme o escrito.
    Altura de mudar a escrita do cardápio, não?

       A homofonia é crítica, mesmo entre comensais. Chega a não ter graça nenhuma.

domingo, 4 de agosto de 2019

Fundamentalismos tecnológicos

    Num mundo altamente tecnológico...

  Porque a digitalização é preferível à impressão em papel; porque o "pensamento verde" e a sustentabilidade sublinham a importância na redução do consumo de papel; porque já é possível ler sem ser em suporte papel; porque já é possível escrever sem gastar papel; porque é preciso poupar papel (não o poupo eu, até agora, nesta repetição textual tão motivada), não se pense que tal representa a menorização do mesmo. Ele foi, é e será um companheiro do nosso dia-a-dia.

Publicidade inspirada no mais comum da vida
    
     Tão verdadeiro quanto comum ao ser humano. Daí a argumentação publicitária resultar em pleno.
    Por mim, para além do obviamente demonstrado, não resisto definitivamente a ler um jornal ou um livro também em papel. Não há monitor ou tablet que o substituam.

    ... há factos que resultam em argumentos universalmente validados. Necessidades da vida comum que não permitem fundamentalismos.

sábado, 3 de agosto de 2019

'O Rei Leão'... com reflexão de inclusão?

      O remake de 'O Rei Leão' (2019), dirigido por Jon Favreau, não faz esquecer a versão animada da Walt Disney de 1994.

      A expectativa era naturalmente grande. O resultado final é sempre condicionado pela experiência de quem viu o original (já com um quarto de século, dirigido por Roger Allers e Rob Minkoff, com as melodias de Elton John e Tim Rice). O impacto foi maior então; hoje, é sempre uma versão com um visualismo mais natural / real, numa sincronia de movimentos animais e vozes humanas que captam a atenção do espectador, para além da cor das paisagens, da mensagem da intriga e do registo de vitória e felicidade finais para o que é, e sempre será, uma metáfora do ciclo da vida.

       Trailers (montagem) do remake de Jon Favreau

      Sem o efeito total de surpresa, mantém-se algum do encanto da mensagem: um hino ou a apologia dos valores da vida (feliz). Os conflitos que esta propõe, a morte que a finda ou complementa, o confronto com os medos, a sede de poder, o oportunismo e a hipocrisia que marcam a humanidade estão bem representados nesta história. Nem tudo é o virtuosismo de Simba e Nala, Mufasa e Sarabi; nem só de Pumbas, Timons e Zazus se compõe a comédia e a atitude 'Akuna Matata' (diga-se, os problemas são para esquecer), que nos fazem experienciar instantes de felicidade. Há ainda cicatrizes (como a de Scar) e hienas (mais ou menos perversas e ameaçadoras) que complicam o ciclo da existência.
       No final da película, fica sempre a sensação de que estas últimas eram escusadas. Não se perde o ciclo da virtude (pelo menos, em termos da ficção), mas é caso para perguntar se vale a pena tanta perda e tanta dor decorrentes de forças malévolas como as de Shenzi e Scar, ou do egoísmo e distanciamento que outras hienas exploram de forma hilariante, mas não menos crítica. A lição do altruísmo, da amizade, da solidariedade, do amor e da família compagina-se com a do cinismo, do perigo, da falsidade e da traição, quase como se fossem duas faces de uma só moeda.
     Quando no fim se retoma o início (com a apresentação à comunidade do sucessor de Simba), prevê-se e prenuncia-se um futuro apaziguador, mais justo, mais integrador. A diversidade animal e o equilíbrio natural afirmam a legitimidade do rei, mas é bom lembrar que as hienas não deixam de existir. É certo que afastam "Scar", mas a barriga e o apetite delas não são facilmente saciados. 

       Não sei que inclusão poderão estas hienas ter, senão a da sombra (por mais que dê valor à luz) ou a do mal (por mais que sublinhe a necessidade e a vantagem do bem). Não as desejo, senão bem longe de mim.

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

De volta às homonímias

      Exemplo de um cão que sabe brincar com a homonímia.

      Assim se lê em '@algumrabisco', a fazer ver o cuidado que os donos e amigos de cães devem ter perante a inteligência do designado 'melhor amigo do homem':


      Brincadeira linguística,provocadora de algum cómico, assente no contraste etimológico 'pata', do germânico 'pauta' para o latino 'patta-', e 'pata' (de possível origem onomatopaica) enquanto feminino de 'pato'. As duas entradas lexicais dicionarizadas (correspondentes, portanto, a origens distintas) motivam a abordagem deste caso homonímico (entre muitos outros já anotados neste blogue) da língua portuguesa.

     Para não 'meter a pata na poça' (expressão idiomática vinda a propósito do sentido germânico-latino), a consulta de um dicionário é sempre o melhor procedimento para aceder às relações lexicais baseadas na representação gráfica.

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Doutor de ossos não é doutor de língua

      Pudera (não é ela um osso!), mas escusava de levar-se a asserção tão à letra.

      Comentar o programa televisivo 'Joker' (RTP1) está a tornar-se um hábito.
   Desta feita, é por razões ligadas ao concorrente, não tanto a quem concebe o concurso ou a coincidências vividas por quem o acompanha. À quinta questão da emissão de hoje, o participante faz a escolha que não o liberta da condição de zero euros:

A imagem da escolha polémica: programa Joker (RTP1) hoje difundido

       Eliminadas as hipóteses do absurdo, ficam as que resistem até ser bloqueada... a errada. A cara de insatisfação / preocupação do concorrente é ainda marca da incerteza, quando a resposta já se encontrava no enunciado da instrução: assistir está para assessor (tal como acessorista está para acessórios); já 'acessor' é palavra inexistente no português.
        Devia estar na cabeça do concorrente que 'acessor' é o que dá 'acesso' a alguma coisa (neste caso, ao auxílio, à assistência). Contudo, nada há de mais errado, não sendo possível, por isso, acesso a qualquer prémio, dado o desconhecimento da língua.
       Talvez fosse necessário saber latim, e concluir que 'assessor' vem da grafia latina 'assessor, -oris'; não é preciso ser doutor de língua(s), para saber escrever bem as palavras, na lógica do falante e utilizador comum (não tão comum, se pensarmos na formação exigida a um médico) de uma língua (nomeadamente, a materna). É preciso atentar apenas em casos críticos da ortografia ou na família de palavras, o que permite ver 'assessor' a par de 'assessorar', 'assessorado', 'assessoria', 'assessorial', 'assessório' (bem distinto de 'acessório', por mais que a homofonia exista neste último caso). A morfologia é assessora válida no acesso ao conhecimento ortográfico. 

       Se *'acessor' não dá acesso a nada (por não existir), ao menos o 'assessor' assiste (no sentido de auxilia).