sábado, 4 de julho de 2009

Quando a rainha deixa de ter "coroa"

     A necessidade de, na língua, coroar rainhas (com o que elas não podem ter) tem muito que se lhe diga...

    Não é incomum a presença de acento gráfico em palavras que não o têm. Entre as mais frequentes, encontram-se as ocorrências gráficas de 'juiz', 'campainha' e a 'rainha'. 
     Para todas, algum conhecimento da História da Língua bastaria para se dar conta de que, nos presentes casos, a grafia '-ui-' e '-ai-' é exemplo de sequências de vogais que não constituem ditongo. São exemplos de hiato, decorrente da queda intervocálica de [d], [n] e [g], respectivamente (judĭce-, campanīna-, regina).
    Casos de língua implicados na aprendizagem da gramática em articulação com a escrita (e a leitura), novamente com os media a não darem bom exemplo.

    Que suba Lance Armstrong, e que dê novas provas do seu heroísmo; mas que as dúvidas de alguns jornalistas não sejam muitas acerca da escrita da língua (apesar de na leitura oralizada sempre poder haver orientação intuitiva e até falaciosa). Qualquer dia, porque há quem diga que podemos escrever conforme falamos e porque lemos com acento - fónico - no 'i', ainda criam novo caso para o acordo ortográfico!

2 comentários:

  1. Estive por aqui em visita ao seu blog!! Abraços Ademar!!

    ResponderEliminar
  2. Grato pelas visitas, pela atenção e pela leitura. Boa(s) "viagem(ns)" nesta "nossa" carruagem.

    ResponderEliminar