terça-feira, 13 de novembro de 2012

Coesão e outros termos que tais...

       Questões de coesão e termos associados. Vamos lá a isto.

     Q: Tenho andado às voltas com uma questão sobre coesão: não consigo encontrar forma de distinguir entre anáfora nominal, correferência não anafórica e coesão lexical. Será que me podes ajudar?

    R: A coesão é um processo de relação / articulação construído ao nível dos enunciados com variadíssimos mecanismos a considerar (repetição; substituição por sinonímia / antonímia, hiperonímia / hiponímia; holonímia / meronímia; associação e relação, entre outros mecanismos). Coesão é, portanto, um hiperónimo para todos os mecanismos-hipónimos mencionados.
     Quando esta se faz em termos de escolha de palavras (léxico), diz-se que a coesão é lexical (por contraste com a gramatical, mais da ordem da construção de referência, da articulação / conexão interfrásica e do jogo de correlação entre o tempo, modo e aspeto).
   Entende-se por anáfora nominal um dos mecanismos existentes na coesão dos enunciados e, como a própria designação o indica, assenta na base de uma retoma feita com um nome ou grupo nominal - neste caso, focaliza-se a constituição do próprio mecanismo.
      Considere-se o segmento (i):

(i) Os alunos responderam às questões do professor. O docente solicitava-os constantemente para um clima participativo na sala de aula.

     Nele, 'O docente' retoma o segmento 'o professor' e, por ser construído na base de um grupo nominal (Determinante+Nome), trata-se de uma anáfora nominal. Acumula-se, aqui, também, a noção de coesão lexical, uma vez que o mecanismo de coesão anafórica assenta na adoção de uma palavra sinónima.
    Quando duas ou mais expressões linguísticas se associam a um mesmo referente, diz-se que elas dependem umas das outras (daí a correferência dos termos). Acontece que nem sempre essa relação é diretamente apreendida e/ou apostada na retoma de discurso anterior (numa espécie de abordagem da memória discursiva). Precisa-se, nesses casos, de recorrer a um conhecimento extralinguístico que sustente a relação estabelecida. Dizer "O Zé trabalha na Citröen. O marido da Maria José tem carros da Citröen" pode levar a pressupor que 'o Zé' é 'O marido da Maria José' (e, assim, haver correferência entre o grupo nominal inicial e o segundo); contudo, nem todos os 'Zés' são maridos de Maria Josés, pelo que se constrói uma correferência não anafórica (ou seja, sem dependência direta dos termos, pois numa outra situação qualquer 'Zé' estará para um outro correferente). Já 'professor' e 'docente' serão vulgarmente encarados como termos marcados por equivalência (numa dependência sinonímica).
     Em síntese: coesão lexical é um processo de coesão geral, no qual se contemplam relações anafóricas (de retoma) apoiadas no léxico propriamente dito. Tais relações permitem construir cadeias de referência, nas quais os termos se revelam correferentes (anafóricos, se houver dependência direta entre os termos; não anafóricos, se não houver direta ou necessariamente relação dependente, pelo que a correferência se apoia no investimento de um conhecimento a partilhar, a explicitar; num conhecimento de mundo extralinguístico).

       Conjugação de termos, alguns já abordados em apontamentos anteriores (como é o caso da correferência), que pauta a coesão por um aglomerado de mecanismos capazes de marcar a textualidade (enquanto propriedade de identificação dos textos).