sexta-feira, 18 de abril de 2014

Tanto frenesim para uma celebração (cada vez mais adiada)

     Falta uma semana para celebrar os 40 anos do 25 de abril e são cada vez maiores os sinais da sua negação.

     Entre os objetivos que abril não atingiu estarão, por certo, os sinais que negam cada vez mais a existência de justiça social, de igualdade de direitos (práticos... porque de princípios não concretizados, de letra está toda a gente farta), de oportunidade e futuro à vista neste país. Restam algumas vozes críticas, algumas reações que procuram contrariar o rumo, que já deixou há muito de ser da maioria (porque conduzido por uma minoria desacreditada - a dos políticos). Nem já o discurso dos "afetos" é encarado senão na lógica do necessário, para se preservar uma face já sem cara.
     Quando falar do 25 de abril já é história (porque me recuso a utilizar o termo "narrativa", tão gasto por quem já faz parte de uma história muito mal contada), quase apetece começar com o típico "Era uma vez...". Não o faço por, na desesperança, estar incluído o termo contrário e ainda poder haver a vontade (sem rima com realidade) de apagar o prefixo quando houver oportunidade para tal.
      Assim, proponho outro "incipit" para os versinhos inspirados nesse feriado que virá a ser celebrado, pelo muito que tem de passado; pelo pouco que tem de presente; pelo nada que o futuro poderá evitar.


      Desculpem, os leitores, a forma perfeita da literatura (soneto) para a despretensiosa qualidade dos versos; porém, prefiro isto a cantar a grande música da "Grândola Vila Morena" com a qualidade de voz de um Zé Cabra (que apareceu e desapareceu do mundo da música, tal como deveria acontecer com muitos políticos desta terra - alguns dos quais já invadiram os nossos frágeis ouvidos com as piores das cantigas).

5 comentários:

  1. Bom dia, Vítor
    Destaco um dos teus versos: "um agastado povo resignou-se".

    Posso pôr o teu poema no meu blogue?

    Gostei muito, porque retrata o abril de agora, apesar de todas as esperanças que se desenharam com o 25 de Abril de 1974. Muitas concretizaram-se, felizmente; outras aguardam (ainda?) por melhores dias.

    Um abraço
    Dolores

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Dolores.
      Creio que essa é a condição generalizada de quem assiste aos tempos governados por esta gente que mata abril aos poucos.
      Claro que podes colocar os versinhos no teu blogue. É uma honra. E ainda bem que o 25 de abril de 1974 existiu, para que eles possam ser lidos.
      Beijinho.

      Eliminar
  2. Obrigada, amigo. As mesmas palavras para ti.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Este abril cada vez mais adiado que aqui lemos, porque, infelizmente, assim vivemos Portugal, fez-me lembrar estes versos:

    " Qu' é dos Pintores do meu país estranho
    Onde estão eles que não vêm pintar?"

    Paris, 1891-1892
    ANTÓNIO NOBRE, 1992: Só ["Lusitânia no Bairro Latino"], Edições ASA, p. 119

    E mais não digo, porque outros já disseram tudo (quase)...
    bijinho e bom regresso às aulas.
    IA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga,

      Os pintores acharam o país tão estranho que acabaram também por emigrar.
      Até eu já tenho vontade de sair daqui para fora. E não sou pintor.
      Bom regresso também para ti.
      Beijinho.
      VO

      Eliminar