sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Entre funções e disfunções, lá vem a sintaxe

    A propósito de um esclarecimento apresentado anteriormente, veio mais uma questão com resposta afim.

    Q: Na frase "Olha, pai, o que eu quero é ter uma vida boa", "Ter uma vida boa" não é predicativo, pois não?
     É CD, pois aquele "é" é enfático, não é?

    R: O segmento "O que eu quero é ter uma vida boa" apresenta uma configuração semelhante ao esquema proposto no apontamento do passado dia 29 de novembro.
     Para o sujeito sintático 'O que eu quero' (identificável com o termo X do esquema) há um predicado 'é ter uma vida boa' (o qual é constituído por um verbo copulativo, seguido do predicativo do sujeito: 'ter uma vida boa', o termo Y do esquema).
     'Ter uma vida boa' seria um complemento direto (CD) no caso de existir uma frase matriz apoiada num verbo transitivo direto enquanto elemento subordinante. Se a frase fosse 'Quero ter uma vida boa', então, sim, surgiria tal função sintática, conforme se prova  pelo teste da questão e da pronominalização: O que é que eu quero? > Ter uma vida boa / Quero isso.

     Creio que a questão formulada no final ainda se orientava para o reconhecimento de uma estrutura clivada, do tipo 'é que', mas (também) não se trata desse caso.

Sem comentários:

Publicar um comentário