sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Um dia com momentos...

     A data impõe-se, mesmo quando o desejo é que ela passe despercebida.

    Chego a pensar que o dia tem mais significado para os outros do que para mim.
  Na corrente dos acontecimentos, tenho de reconhecer que é muito triste esta atitude de se dar mais importância ao que não se tem do que àquilo que nos dão. Não sei se é de humano, mas é de homem, pelo menos de um... aquariano.
    No meio da amizade, de um diploma, de ofertas e de abraços; dos que me procuraram, dos que me esperaram, dos que me ofertaram o pouco ou o muito que pensaram, que fizeram, que compraram; dos que me dirigiram votos em presença ou na distância; dos que me fizeram esquecer o que, por norma, lembro em dor, tive momentos que fizeram a diferença por os querer eternos.
       Deram-me música, literalmente, ao som da década de sessenta de um século que já passou:


      E no meio de tudo, mesmo quando me recolhia no anonimato da rua, houve quem viesse de pontos tão distantes - e na incerteza do encontro - só para me cantar, com múltiplas vozes e rasgados sorrisos, um alto e sonoro "Parabéns a você". Qualquer transeunte passou então a saber o que não tem de conhecer.
      Estive com quem quis, queria e quero... por momentos. 

      A data continua a impor-se, por tudo o que nela vivi e com o dia a fechar com o melhor que (me) é possível (ter).

Sem comentários:

Publicar um comentário