quarta-feira, 15 de abril de 2009

Encontro com o divino ou a confusão

    Cruzei-me com Babel... em tempos de crescente simulação nas palavras e nos actos

Desenho do holandês Cornelis Theunissen (séc. XVI)


De cada vez que vejo uma imagem alusiva a essa bíblica e mítica torre, lembro...

... o mito de origem das línguas, e o modo como tudo se transformou: da porta do céu ou da porta dos deuses para a confusão do mundo;

... essa Babilónia feita de maravilhas do mundo, hoje praticamente apagadas da memória, simples e parcos vestígios a alimentar a lenda;

... a ténue fronteira entre a proeza ou o engenho humanos e os sinais da afronta;

... esse tema que a literatura e a pintura não deixam esgotar, por representarem ambições e desconcertos do mundo;

... como tantas vezes falamos, utilizando as mesmas palavras, e não nos entendemos (para não dizer que concordamos com base em compreensões tão diferentes, construídas à base dos mesmos discursos ditos / ouvidos).

     Castigo(s) ou lembrança para o orgulho do Homem.

Sem comentários:

Publicar um comentário