segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Será espera(nça), crença ou fado?

     Memória de um grupo da década de oitenta do século passado para os novos dias deste século, feitos de alguma desesperança.

     Com a letra e música de Pedro Ayres Magalhães, a voz de Teresa Salgueiro trazia a tradição, a expressão da vontade, da espera, da separação, da dor e do amor. Tudo a parecer fado... um fado nacional que, ainda hoje, é muito mais do que género musical. 


HAJA O QUE HOUVER

Haja o que houver, eu estou aqui
Haja o que houver, espero por ti
Volta no vento, ó meu amor
Volta depressa, por favor

Há quanto tempo já esqueci
Porque fiquei longe de ti
Cada momento é pior
Volta no vento, por favor

Eu sei
Quem és p'ra mim
Haja o que houver
Espero por ti

Eu sei, eu sei
Quem és para mim
Haja o que houver
Espero por ti

      Foi com "Palavras Cantadas" (2002) como estas que o grupo me conquistou (e, na altura, com registo ao vivo).  

    Sonoridades para recordar, pelo valor (menos económico, mais cultural) que têm. Porque nem tudo o que (re)luz é ouro. Também pode ser música, som, voz.

Sem comentários:

Publicar um comentário