sábado, 17 de agosto de 2019

Voltando ao 'Joker'

     Já por várias vezes me referi ao 'Joker' - prova de que o vejo.

     É das poucas coisas televisivas a que vou sendo fiel (pela amplitude de conhecimentos que nele se revê), mas a verdade é a de que o programa não está isento de contínuos reparos. Cá vem mais um, a propósito da emissão de hoje:

Imagem alusiva ao programa televisivo 'Joker' (RTP1 - Foto VO)

    A imagem é a do momento em que o concorrente, para a questão formulada, seleciona a hipótese Álvaro de Campos (um heterónimo pessoano, dos mais conhecidos e versáteis, a par de Alberto Caeiro e Ricardo Reis). Nada a obstar quanto à frase "Minha pátria é a língua portuguesa" ser da autoria de Bernardo Soares - assim a encontramos num dos fragmentos do Livro do Desassossego. O aspeto crítico está mesmo em considerar Bernardo Soares um heterónimo, quando o autor Fernando Pessoa o classificou como semi-heterónimo. Assim o justificou, no último ano de vida, numa carta escrita a Adolfo Casais Monteiro (13 de janeiro de 1935):

    «O meu semi-heterónimo Bernardo Soares, que aliás em muitas coisas se parece com Álvaro de Campos, aparece sempre que estou cansado ou sonolento, de sorte que tenha um pouco suspensas as faculdades de raciocínio e de inibição; aquela prosa é um constante devaneio. É um semi-heterónimo porque, não sendo a personalidade a minha, é, não diferente, mas uma simples mutilação dela. Sou eu menos o raciocínio e a afectividade. A prosa, salvo o que o raciocínio dá de ténue à minha, é igual a esta, e o português perfeitamente igual [...]»

       É no fragmento 259 que se lê a frase citada no programa televisivo:

  «Não tenho sentimento nenhum político ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriótico. Minha pátria é a língua portuguesa.»

     Tão mais simples, rigoroso e certeiro seria apenas perguntar "Quem escreveu / Quem foi o autor da frase 'Minha Pátria é a língua portuguesa'?" (pelo menos, não induziria em erro, para a escolha de um dos heterónimos mais comuns).
   O ajudante de guarda-livros, o morador da Rua dos Douradores, assume um estatuto singular, distinto, privilegiado na escrita pessoana. É o narrador principal do Livro do Desassossego, pensador que não é poeta, mas assume trechos de uma prosa poética, na qual viver sonhando, sonhar imaginando e imaginar sentindo são ecos da poética do ortónimo. Foi uma "personalidade literária" (como Pessoa também o chamou), que vivia num quarto alugado e conversava sobre literatura com o criador, considerando "a vida uma estalagem" onde se demora até que "chegue a diligência do abismo" (uma angústia existencial partilhada com quem lhe deu vida).

     No prefácio ao Livro do Desassossego, Pessoa assume que Bernardo Soares foi "um indivíduo cujo aspeto, não me interessando a princípio, pouco a pouco passou a interessar-me". Daí à identidade foi um grande passo para se ter no primeiro o espelho a deixar ver alguém que está por trás de muita(s) Pessoa(s) - ser um só no seio de muitos, ou seja, um que tem em si o outro.

Sem comentários:

Publicar um comentário