terça-feira, 19 de novembro de 2019

"Do Porto / muito mais vivo que morto"

        No dia em que morre, celebra-se a música, a poesia, as artes.

      A herança de José Mário Branco é a do testemunho da qualidade musical e a da defesa dos valores democráticos e da liberdade. O compromisso com a música e a ideologia política é o exemplo de um homem para as gerações futuras, o de alguém que esteve preso por se ter engajado com um ideal de cultura e de política livres, contra um tempo de ditaduras e fascismos reinantes.
      Com o seu contributo e o de muitos outros companheiros de luta (Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho, entre outros), numa clandestinidade que ansiava pela mudança, lutou contra um regime, recorrendo às palavras do poeta Camões e a um refrão feito de (outras) "voltas" trocadas.

Filme com imagens de José Mário Branco (com poema camoniano)

       1942-2019, um percurso de 77 anos com essa amante que foi a música, que lhe deu muitas cantigas, algumas das quais encaradas como "uma arma contra a burguesia", um "alerta, às armas" ou a procura de "um mundo à justa medida".

       "Qual é a tua, ó meu?" Foste para longe, "P'ra muito longe / Onde nos vamos encontrar (/Com o que temos p'ra nos dar)". RIP.

Sem comentários:

Publicar um comentário