quinta-feira, 20 de junho de 2013

'Bom Português' sem acordo

      Já não é a primeira vez que comento um programa / uma rubrica que poderia ser bom/boa se fosse mais correto(a) e verdadeiro(a).

        Hoje, na RTP1, o programa 'Bom Português' tratou uma questão importante: a do verbo 'haver' e sua concordância. Nem sempre a explicação é dada da melhor forma, mas reconheça-se que aqui está um bom tema para abordar e divulgar. 

        À questão "Diz-se 'havia vários livros' ou 'haviam vários livros'?", alguns transeuntes responderam de forma algo hesitante, a maioria escolhendo a hipótese errada. A voz da locução trouxe, entretanto, a solução: "A forma correta é 'havia vários livros'". Como razão, veio o argumento do significado: o verbo 'haver' com o sentido de 'existir' só deve ser utilizado na terceira pessoa do singular.
       Todavia, não se trata de uma questão de sentido, mas sim do papel sintático do verbo: 'haver' está a ser utilizado como principal. Fosse verbo auxiliar e a resposta já não faria nenhum sentido, pois neste último caso há concordância tanto para o singular como para o plural.


      Além disto, um outro dado causa maior espanto: para quê a questão a encabeçar a imagem inicial ("Com o A.O. como se escreve?"). Este não é um problema de escrita associado ao Acordo Ortográfico. É apenas uma regra sintática da língua já com assente tradição na gramática.

     Assim, hoje a lição do "Bom Português" não contribuiu definitivamente para uma maior consciência do uso da língua. Havia razão (e haveria , no singular, se também fossem muitas mais) para que os transeuntes e os responsáveis da rubrica houvessem acertado muito mais.