sábado, 22 de junho de 2013

(In)Coerências

     Há uma semana foi assim.

    Pela freguesia de Sernancelhe, junto ao Santuário da Nossa Senhora da Lapa (ou não estivesse esta no interior de uma igreja jesuítica, com uma gruta feita de penedia, na qual só passavam os que não tivessem pecados - Ufa! Passei no teste, apesar de me ter visto algo apertadito na passagem!).
     Na rua, o cenário é bem menos espiritual, para não dizer infrator. Basta ver a prova:

Foto da rua principal que conduz ao Santuário da Nossa Senhora da Lapa (VO)

     Que aconteceria se não estivesse lá o sinal!
    Sinal dos tempos e talvez de um país, no qual há leis, orientações que alguns também não cumprem (o subsídio de férias pago por algumas empresas e serviços do próprio Estado, quando a orientação é a contrária, é um pequeno exemplo).

     Da Santa ao Estado, resta-me, por coerência com a foto, citar um filme antigo português: "Chapéus há muitos, seu palerma!" (E quanto à lapa, eu sabia à cabeça de quem atirá-la, se eu fosse Sansão).