domingo, 6 de janeiro de 2013

Os valores das frases

    Iniciado o período letivo, é tempo de reconstruir as redes de trabalho, das mais reais às virtuais.

    Para além da forma como se constroem, as orações apresentam valores lógico-semânticos, que interessa explorar. Vai neste sentido a consulta seguinte:

    Q: Vítor,
     Na frase "Estamos perante as primeiras gerações de crianças e jovens que crescem, utilizando quotidianamente a internet", o segmento sublinhado corresponde a uma oração não finita gerundiva, mas qual é o seu valor? Já fiz várias tentativas: temporal, condicional, relativa,... mas não encontro uma resposta com segurança. Será que não te importas de me ajudar?

    R: Os valores semânticos relacionados com as construções gerundivas podem ser explorados pela manipulação das orações. Explicitando-se os articuladores ou conectores que possam estar em vez da oração gerundiva, consegue-se a aproximação ao valor semântico e pragmático associado à realização frásica, devidamente contextualizada. Sem este último aspeto bem estabilizado, a questão tem de se equacionar em termos de possibilidade significativa. Assim, e sem mais elementos de concreto, sistematizo algumas dessas possibilidades, que podem ser sempre exploradas no sentido de se ativar mecanismos de coesão interfrásica, como sejam os relacionados com a explicitação de conectores, bem como a exploração dos fatores de coerência (interpretativa) implicados.
        Isso mesmo pode ser observado na sistematização dada:


     Concorrentemente, exercícios gramaticais apostados no trabalho de manipulação destas estruturas podem ser encontrados em diversos materiais, à semelhança do que se expõe de seguida:
in Ana Maria Cardoso et al., Com Textos 11, Porto, Edições Asa, p. 240

     Seja na base destes exercícios de transformação seja na reconstrução / reescrita de orações com conectores (de forma a subentendê-los apenas), está aqui um trabalho relevante para a apropriação de modelos de (re)construção escrita, textual.