quarta-feira, 13 de março de 2013

Entre Assis e Xavier, fica Francisco

       Hoje foi dia de fumo branco, pelo final da tarde - está eleito o novo Papa.

    Entre as novidades (primeiro Papa oriundo da América Latina, primeiro Papa filiado na Companhia de Jesus), surge também o primeiro Francisco no historial do papado.
    A escolha do nome é marcante, seja na santidade evocada com São Francisco de Assis (fundador da ordem mendicante dos frades menores, séc. XIII) seja na de São Francisco Xavier (co-fundador dos missionários jesuítas, o "apóstolo do Oriente", no séc. XVI).
      A possível inspiração nestas duas referências eclesiásticas poderá estar na base de alguns dos gestos ora simples e despojados ora abrangentes e dedicados, que marcaram a apresentação do novo Sumo Pontífice ao mundo: a aproximação ao povo pelo toque humorístico (ao dizer que o foram buscar "ao fim do mundo") e pelo posicionamento humilde (submetendo-se à oração dos crentes e com estes; solicitando consideração e agradecendo ao seu antecessor); o apelo ao silêncio (conseguido); o sentido de maior serviço e de missão (numa lógica menor de poder) para com a comunidade e desta recebendo a bênção.
    De ambos os exemplos santificados, biograficamente associados a famílias abastadas, devia resultar ainda o desprendimento aos bens materiais, às riquezas mundanais. O Papa nada disso vai seguir, por certo, ao presidir a um dos estados com riquezas incalculáveis - de que o Museu do Vaticano é um pequeno exemplo, com os grandes salões de esculturas greco-romanas, de tapeçarias, de pinturas de vários séculos marcantes, entre outros.
     Resta ao sucessor de Pedro distinguir-se e deixar-se orientar pelo sentido de humanidade e pela preocupação social. Para já, passará a ter lugar no friso cronológico sucessório dos Papas visível no cimo das galerias da Basílica de São Paulo Extramuros.


Friso cronológico dos Papas nas paredes superiores das galerias (cimo)
Imagens dos Papas João Paulo II, do Papa Emérito Bento XVI e o círculo para o novo Papa Francisco (baixo) 



   Como se pode ver na imagem, ao fundo e à esquerda, lá está o espaço destinado a FRANCISCVS I.
     Trata-se de uma das cinco basílicas papais romanas (além da de S. Pedro, de S. João de Latrão, de Santa Maria Maior e de S. Lourenço Extramuros), localizada fora do Vaticano, mais precisamente na zona moderna de Roma, a que foi construída por Mussolini para a Exposição Universal de Roma (EUR) - evento que acabou por não se concretizar dado o início da II Guerra Mundial.


     Em território laico, a jurisdição do espaço é, contudo, católica e papal. Encontra-se aí o que as escavações arqueológicas e as investigações de perícia têm identificado como o local do martírio e da sepultura de S, Paulo (este, por ser cidadão romano, foi decapitado, por ordem de Nero, fora das muralhas da cidade imperial).

     Ainda agora foi eleito o novo Papa e já lhe traçam um percurso junto de forças políticas e de interesses questionáveis, dúbios, no que aos valores católicos e cristãos diz respeito. A maioria está em grande expectativa e os sinais já dados nas breves comunicações produzidas, se forem continuados, anunciam uma ação evangelizadora e pastoral que pode ser significativamente marcante.

2 comentários:

  1. Não sei porquê (ou talvez saiba), quando vi este papa e o nome que escolheu para si, lembrei-me logo de padre António Vieira!

    Acho que o grande mestre da Língua Portuguesa e genuíno missionário (e não só...) iria gostar desta "eleição divina". Gosto do nome, porque me lembra o santo da minha predileção: S. Francisco de Assis!

    Esperemos que a simplicidade e a autenticidade, inerentes aos valores e princípios cristãos, se revelem neste “papado” (sem fausto, mais humano e solidário), na linha do que João Paulo II já tinha iniciado!
    Que vá ainda mais longe! E, claro, com sentido de humor...
    Não consigo conceber Deus e a celebração da fé sem alegria!

    Beijinho e muita luz!
    IA

    ResponderEliminar
  2. Mais um exemplo da Companhia de Jesus... Tudo a ver.
    O homem começou bem.
    Veremos o exemplo que dará.
    Igualmente.
    Bj(inho)

    ResponderEliminar